quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Congresso do Sintaema: uma opinião

O 7º Congresso do Sintaema - Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, foi o primeiro dirigido por Renê Vicente dos Santos, presidente da entidade. Cumpriu sua missão com êxito e demonstrou estar qualificado para estar à frente do Sindicato e ser fiador da unidade da categoria.

O Congresso discutiu conjuntura internacional, organização no local de trabalho, questões do saneamento ambiental e atualização do estatuto, entre outros assuntos. Por ser realizado na Semana da Consciência Negra, promoveu também um debate sobre este assunto.

O Sintaema representa onze empresas da área de saneamento ambiental. As principais são a Sabesp, Cetesb, Saned e Fundação Florestal. Havia 259 delegados representando os trabalhadores dessas empresas. Dois terços dos delegados eram vinculados à CTB. O terço restante se distribuía entre a CUT e a ASS/Inrtersindical, que compõem a diretoria, e a oposição sindical, vinculada à Conlutas.

Falta um ano para as eleições, e a expectativa era de que o Congresso fosse muito tenso e polarizado. O principal item que podia provocar esgarçamento nos debates era a mudança nos estatutos. Com maturidade e espírito democrático, a CTB, majoritária, aquiesceu em deixar para o próximo Congresso a revisão de alguns artigos defasados dos estatutos.

Removido esse obstáculo maior, o Congresso se realizou de forma tranquila, sem maiores polêmicas. Surpreendentemente, a polêmica maior ficou por conta de um tema extra-sindical - a descriminalização do aborto. Alguns delegados solicitaram a retirada dessa matéria da tese, para maiores discussões, o que foi deliberado pela maioria.

O Congresso pode ter pavimentado um caminho até então não previsto pelas correntes que militam no Sintaema. A manutenção e fortalecimento da unidade da atual diretoria como também a possibilidade real de incorporar a oposição na gestão compartilhada do sindicato.

Claro que há um longo caminho a ser percorrido para viabilizar essa proposta, mas ela se mostra factível. A discussão de um programa comum para a entidade, a garantia de espaços democráticos de atuação para todos e uma direção equilibrada e democrática podem ancorar um projeto novo para o Sintaema.

Mais que tudo isso, deve pesar nas avaliações de todos as correntes um dado dramático da realidade: a pesada hegemonia do conservadorismo neoliberal tucano, e seus recorrentes ataques contra os trabalhadores. Enfrentar o quinto governo tucano consecutivo na categoria cobra de todos uma visão mais ampla e unitária.

Um comentário:

  1. MUITO BOM ! Adorei o seu blog ! Visite o meu blog sobre tênis e retribua o comentário ! : breakpointbrasil.blogspot.com/ - Siga meu blog, que eu sigo o seu de volta ! Também tenho twitter @breakpointbr, caso queria seguir.

    Obrigado !

    ResponderExcluir